Lei Aldir Blanc: tem apresentação artística neste sábado (19), no Frei Damião

Grupo Maracatu Tamboritá vai apresentar a contrapartida à premiação do edital contemplado no final de 2021

O grupo Maracatu Tamboritá vai realizar uma atividade cultural neste sábado (19), a partir das 15h, no Frei Damião, como contrapartida física da premiação oferecida pelo Segundo Edital da Lei Aldir Blanc, contemplado no final de 2021.

A programação prevê um cortejo, iniciando na Rua Day e depois seguindo pela Rua Afonso Pena até o novo parque do bairro. No mini anfiteatro do parque, haverá a apresentação de músicas autorais e consagradas do maracatu de baque virado.

Depois do espetáculo, também estão previstos um bate-papo e uma vivência, que será realizada no formato de mini oficina, com a intenção de apresentar instrumentos e ritmos, em um pequeno ensaio aberto para os interessados.

Todo o evento será realizado seguindo os protocolos de prevenção de contágio do vírus causador da Covid-19, como o uso de máscaras, disponibilização de álcool e distanciamento social.

O evento é gratuito e a classificação é livre. “Nós convidamos a população a acompanhar esse espetáculo cultural. Já tivemos a entrega de um quadro, oficinas de teatro e sustentabilidade, e aos poucos os artistas contemplados pela Lei Aldir Blanc vão espalhando arte e cultura por toda Palhoça”, avalia o presidente da Fundação Municipal de Esporte e Cultura (FMEC), José Virgílio Junior (Secco).

No dia 4, a artista plástica Joh Mayara havia visitado a FMEC para entregar a obra “Nossa Palhoça”, um quadro que faz referência às belezas naturais e arquitetônicas do município, bem como a elementos das culturas indígena, açoriana e negra. A obra será exposta na futura Casa de Cultura do município, que irá funcionar no edifício da antiga Prefeitura, no Centro de Palhoça. O prédio se encontra em reforma, atualmente, justamente para receber o novo espaço cultural.

Maracatu Tamboritá

O grupo de Maracatu Tamboritá foi fundado em 2004 por alunos e dirigentes do curso de Naturologia da Unisul. Os participantes realizam apresentações, projetos e oficinas de maracatu em escolas e bairros de Palhoça e região, sendo presença constante em eventos de rua na Guarda do Embaú.

O maracatu é uma manifestação típica do folclore brasileiro, criada em meados do século XVII, inspirada em uma dança de origem africana, mas que também reúne elementos das culturas portuguesa e indígena.

É um ritmo musical, dança e ritual de sincretismo religioso, com origem no estado de Pernambuco, formado por um conjunto musical percussivo que acompanha um cortejo real. O espetáculo é repleto de simbologias e marcado pela riqueza estética e pela musicalidade.

A Lei Aldir Blanc

A Lei Aldir Blanc é uma lei federal criada para fomentar o setor da cultura de forma emergencial, diante do estado de calamidade pública provocado pela pandemia de Covid-19. O objetivo do edital é premiar, mediante contrapartida simbólica, agentes culturais prejudicados pela pandemia, através da criação de trabalhos artísticos e culturais.

As inscrições para o Segundo Edital de Premiação foram abertas no final de setembro e encerraram em 17 de outubro. O município de Palhoça tinha à disposição R$ 471.399 em recursos extraordinários exclusivos para o setor cultural, contemplados em editais preconizados pelo inciso III do artigo 2º da Lei Federal 14017/2020 (Lei Aldir Blanc), regulamentada em Palhoça pelo Decreto Municipal 2.882/2021.

Foram aprovadas as propostas de 148 agentes culturais, com trabalhos em diferentes áreas artísticas, como teatro, música e pintura, entre outras.

As propostas apresentadas foram avaliadas pela comissão especial de acompanhamento estabelecida pelo Decreto 2.882/2020.

Os aprovados receberam a missão de oferecer ao menos uma contrapartida simbólica ao município, a escolas públicas ou a instituições filantrópicas alocadas no município, até o prazo máximo de 30 de março de 2022.

As contrapartidas foram definidas em conjunto com o Conselho Municipal de Políticas Culturais, e poderiam ser organizadas em diversos formatos: live artística seguida de bate-papo sobre produção e execução do espetáculo e os desafios da carreira artística; apresentação híbrida, em meio presencial e também transmitida ao vivo em canal digital; apresentação pública em modo presencial; intervenção de arte urbana (pintura de murais, alocação de estátuas, obras de arte e similares), com a temática “Cultura em Palhoça”; workshop ou aula, a distância ou aula presencial; doação de produtos físicos elaborados pelo artista a escolas, associações de moradores, entidades beneficentes, secretarias do município ou outras instituições.

(Fonte: SECOM/PMP)

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*