A importância do associativismo no desenvolvimento empresarial

Como pequenos empresários conquistaram bons resultados unindo forças, buscando capacitação e soluções conjuntas em entidades locais

Ter ideias inovadoras para ganhar dinheiro é o sonho de muita gente. Criar algo que possa atender às necessidades dos consumidores e que tenha possibilidade comercial, de custos e administrativas é o que todo empreendedor deseja. Encontrar apoio para desenvolver seu negócio é o que todo empresário espera. Foi exatamente para atender uma necessidade sua – e de muitos outros atletas amadores e profissionais – que Luciano Castelo criou a Bodout. E foi com o apoio da associação empresaria que ele viu sua empresa ganhar a estrutura e suporte necessários para crescer.

 

Profissional de vendas, casado, pai de três filhos, tinha uma rotina como a de muitos brasileiros. Acordar, trabalhar e, duas vezes por semana, ir para a academia para praticar o seu esporte favorito, o boxe. Fato é que sempre que chegava em casa, após um treino, ao cumprimentar sua esposa Loziane, ela dizia, “Que cheiro horrível essas mãos”. Já cansado da rotina de críticas, e sem achar um produto que retirasse o odor desagradável do equipamento, Luciano Castelo, que é químico de formação, passou a fazer testes em busca de um produto que eliminasse o cheiro de “chulé” de produtos que estão em contato direto com o suor e que são de difícil limpeza diária, como era o caso das luvas de boxe.

 

“Não é possível lavar o tênis todo dia com água e sabão, assim como as luvas de boxe e o capacete de moto. Então vi que o problema não era só meu, era de muitas pessoas que diariamente frequentam academia ou até mesmo praticam corridas e caminhadas no parque, assim como os profissionais que necessitam utilizar diariamente seus equipamentos com motoqueiro e goleiro”, enfatizou Luciano Castelo.

 

Focada no mercado de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, Bodout é um produto inovador que retira a umidade dos equipamentos, evitando o surgimento de odores e o desenvolvimento microbiano, sem deixar resíduos, nem agredir o meio ambiente, já que é biodegradável.

 

Diferente dos concorrentes indiretos do mercado nacional, pois não há nada direcionado a equipamentos esportivos de uma forma específica, não é talco, nem spray. É um sachê, que após utilizado, regenera em 1 minuto no micro-ondas e pode ser utilizado até 60 vezes. Assim, Bodout escala para um oceano azul entrante nesse negócio, afirma o empresário.

 

O Crescimento

No começo de 2016, Luciano Castelo e sua esposa encaravam a dupla jornada de trabalho. Durante o dia, ele trabalhando como empregado de uma grande empresa nacional, ela como administradora de uma clínica médica. Durante a noite, dividiam-se nos afazeres domésticos, nos cuidados com os filhos e no desenvolvimento, produção e comercialização da Bodout.

 

No primeiro trimestre haviam terminado a prototipagem, trocado a logomarca, tornando-a mais profissional e vendável, necessitando “acelerar”. Foi aí que procuraram o núcleo jovem da ACIF – Associação Comercial e Industrial de Florianópolis, buscando estar junto com um grupo de empresas que propagam da mesma ideia de unir para crescer. Trocar experiências, dividir problemas, buscar soluções conjuntas e estar no caminho das inúmeras oportunidades.

 

A Importância do Associativismo

Foi através do grupo de WhatsApp da associação que o empreendedor soube das inscrições para a 1ª temporada do Shark Tank Brasil – versão brasileira do reality show norte-americano com investidores interessados em dar apoio financeiro a grandes ideias de empreendimentos. Mas para garantir o investimento necessário, os empreendedores têm que convencer os chamados “tubarões” dos negócios e, no fim do ano, mais precisamente no dia 22/12, comemoraram o interesse declarado de dois “tubarões” na aquisição de um percentual da empresa.

 

Paralelo a inscrição no reality show, através da associação empresarial também ficou sabendo das inscrições para InovAtiva Brasil, realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e Sebrae, e executado pela Fundação Certi, sendo uma das 120 finalistas do ciclo de 2016/2 obtendo o selo de empresa acelerada, e conquistando as inúmeras vantagens do programa como benefícios em editais e acesso facilitado a crédito para o desenvolvimento do negócio.

 

Os Resultados e as projeções

Com os bons resultados alcançados no ano passado, as previsões para 2017 continuam otimistas. A capacidade de produção de 10 mil unidades/mês, deverá ser ampliada ainda no primeiro semestre. A empresa desde o início do ano conta com a dedicação em tempo integral de Loziane que responde por toda parte administrativa, aquisição de insumos, cadastro de representantes, envio de pedidos, entre outras rotinas administrativas, bem como, haverá seleção de novos profissionais para atuar na linha de produção. “A Lozi é uma pessoa muito organizada, meu braço direito. Já estamos num estágio em que a empresa precisa de alguém dedicado somente a ela. Ainda não deixei meu emprego pois sempre gostei do que fiz, mas está nos planos a minha dedicação total a Bodout”, garante Castelo.

 

Com o apoio e a orientação de entidades locais como Sebrae, ACIF, Senai, além de mentores nacionais, o foco agora é ampliar a capacidade de produção, o número de Estados com revendedores autorizados – atualmente são sete (SC, RS, PR, RJ, PE, MG e AM) – e as vendas da loja virtual – que atende todo Brasil – fechando o ano com um faturamento superior a R$ 1,2 milhões.

 

“Bodout apresenta muitos diferenciais competitivos, sua base está no foco de tirar umidade, o cheiro, não deixar resíduo e durar mais, agregando valor à proposta principal da empresa que é mais esporte, menos cheiro”, enfatizou Luciano Castelo.

 

Atento aos números do mercado, a startup continua capitaneando investimentos para aumentar a capilaridade do produto, bem como, realizar um marketing mais ousado para tornar a marca mais conhecida no meio esportivo, já que somente o mercado de artes marciais com luvas tem potencial de R$ 210milhões/ano, ou seja, 1,4% do faturamento do mercado de equipamentos esportivos em 2014, formado por praticantes de futebol, corrida e lutas com luva.

(Dados Coletados: Diagnóstico Nacional do Esporte -Diesporte 2016 e SBVC – Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo)

 

Dados do setor de HPPC

– Existem no Brasil 2.599 empresas atuando no mercado de produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC), destas 496 são da Região Sul, sendo 105 de Santa Catarina.

 

– Em relação ao mercado mundial de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, conforme dados do Euromonitor de 2015, o Brasil representa 7,1% do consumo mundial, ocupando a quarta posição, ficando atrás de Estados Unidos, China e Japão.

 

– O setor foi penalizado com aumentos de ICMS em 18 Estados. Santa Catarina foi o único Estado da região sul que não aumento o imposto.

Dados: Panorama 2016 da Associação Brasileira da Indústria de HPPC

Saiba mais sobre a BODOUT

Divulgação: VM Comunicação

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*